quinta-feira, 15 de Março de 2012

Ganhar à Sporting

Ganhámos à Sporting. Transformámos o difícil em fácil e o fácil em difícil. Acabámos com o coração nas mãos. Mas o Rui Patrício merecia que tudo acabasse como acabou, com um duelo que ganhou. Se não o conheciam, tão cedo não o vão esquecer.

Quanto ao resto, bem, o resto interessa muito pouco. Agora, com o Izamailov e o Matias a jogar como estão, se fosse aos adversários começava a ter medo. Muito medo mesmo.

15 comentários:

  1. Acabadinho de sair dos Cuidados Intensivos deixo aqui algumas notas das minhas alucinações mais recentes.

    Grande jogo. Bonitos golos.

    Um penalti roubado... também por excesso de teatralidade do Matias.

    Um penalti inventado... também por excesso de dedicação do Renato.

    Acho que o Matias fez falta, não devia ter saído tão cedo, quase sempre para defender um resultado, o melhor é manter o ataque a funcionar. Assim, os nosso artistas Jefren e Carrilho não tiveram “deixas” para “solarem”... faltava o maestro.

    Por outras palavras, recuamos tanto que já tinha o elástico das peúgas a apertar-me as virilhas (daí os Cuidados Intensivos).

    Já envolto na nebulosa dos analgésicos, pareceu-me que sofremos como sempre...mas ganhámos como antigamente.

    P.S. (salvo seja) Alucinei ainda com alguns comentadores muito preocupados com o nosso sofrimento, com as nossa tácticas suicidas, muito sofridos com a nossa exibição, a exaltaram o Patrício que já nos deu dezenas de pontos, (nada como realçar o papel do guarda-redes para minimizar um ataque capaz de marcar dois golos fora) e a ignorarem por completo sequer a análise do suposto penalti contra nós mas, como disse, deve ser só alucinação minha, fruto dos analgésicos, porque até "eles" seriam incapazes disso.
    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro A. Trindade,

      A saída do Matias foi crítica. Nunca mais conseguimos atacar com perigo. Mais, estava com uma grande fezada no Jéffren e sem o Matias não fez tudo o que podia ter feito.

      Quanto aos comentadores, não há nada que um bom chá de cidreira não resolva.

      Um abraço.

      Eliminar
  2. Também comento o jogo:
    Foda-se, caralho.
    Foda-se.

    ResponderEliminar
  3. Este jogo vai ficar conhecido como “A Chacona de Manchester”! Fds, estou tão contente!!!

    http://bancadadeimprensa.blogspot.com/2012/03/chacona-de-manchester.html

    Das equipas que restam o Bilbao é a melhor. De longe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Depois do City qualquer um nos serve.

      SL

      Eliminar
  4. "Transformámos o difícil em fácil e o fácil em difícil"

    Concordo com tudo, excepto com esta frase. Nunca foi fácil e foi sempre difícil. Era o City, não era um "mija-na-escada" qualquer.
    São jogadores de topo Mundial.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Cantinho do Morais,

      Esta frase só quer dizer que começámos por fazer o mais difícil. Nenhum de nós imaginava que fossemos lá marcar dois golos. Depois dos dois golos, as coisas ficaram mais fácceis. Agora, nunca foram fáceis. Que o diga o Porto.

      SL

      Eliminar
  5. É verdade que estávamos a ganhar 2-0 e lhes oferecemos 2 golos. E essa pecha do Sporting é antiga, não saber matar os jogos, ficar quase sempre no encona, a tal história do 2-0 ou jogar contra 10 ser muito perigoso.
    Vamos ver se o Sá areja aquelas cabeças, e já agora se consegue que todos joguem 90 minutos, por favor, são profissionais pagos a peso de ouro, é pedir muito? A saída do Matias ia deitando tudo a perder!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      A certa altura comecei a pensar que lhes iamos ganhar. Se assim tivesse acontecido o respeito relativamente à nossa equipa passava a ser outro. Esse respeito faz-nos falta até para o nosso campeonato.

      SL

      Eliminar
  6. Um pequeno reparo ao senil do Ribeiro Cristóvão, que disse que o Sporting já devia estar satisfeito por estar nesta fase da competição, e agora devia era tentar não humilhar Portugal contra o Manchester City, e "apanhar poucos"...fica um conselho útil para ele: meta vaselina da próxima vez que levar na peida !!!!!

    ResponderEliminar
  7. Foi muito bom apesar do sofrimento.
    Se calhar era escusado . Fizemos o mais dificil na 1ª parte. Marcamos golos e impusemos respeito. Jogamos muito bem, estando tacticamente e fisicamente irreprensiveis. Concordo em absoluto com o A. Trindade. Matias aguentava mais tempo e por ele deviam passar as bolas para entregar aos alas ambos frescos. Saiu demasiado cedo e até nem parecia esgotado. Mas Renato Neto parece nem saber cumprir aquilo para o que é chamado. Aprenda com Rinauldo ou mesmo com Carriço. Se houver tempo e paciência.
    O Sporting recuou,recuou,recuou quando tinha a eliminatória ganha e segura. Para quê? O Manchester é uma grande equipe cheia de bons jogadores mas chegou a estar surpreendido. Sá Pinto disse no fim que pequenos pormenores foram descuidados. Tudo bem, porque passou. E se não tivesse passsado?
    Mas chega de discurso negativo e corriga-se o que não esteve bem. Com Matias, Izmailov e Schaars ao seu melhor nivel não temos de ter receio de ninguem.
    Venha o próximo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Fernando Sousa,

      Estou de acordo consigo, embora também considere que o penalty também marcou uma certa viragem no jogo.

      Depois do City temos que assumir que, com humildade e espeírito de equipa, podemos ganhar a qualquer um.

      SL

      Eliminar
  8. Dor de cabeça, ressaca, 47 anos (devia ter juízo), mas ninguém me tira o sorriso estampado, sobressaltado, extasiado, não sei mas..., estou vivo e feliz. Não devia ter ido ao aeroporto, mas fui, não devia gritar como gritei, mas gritei, e agora.
    Já espero tudo, sem receios nem lamentações, e quero sofrer outra vez pelo meu Sporting.

    Pedro

    ResponderEliminar
  9. Caro Pedro Duarte,

    O futebol tem esta coisa interessante. Também tenho 47 anos. Por um momento que seja, nenhum de nós tem 47 anos ou, pelo menos, o juízo que a idade implica.

    SL

    ResponderEliminar